Nada sober vós sem vós

Log in
updated 6:26 PM WEST, Jul 25, 2017
Informação:
PARTILHEM: A 17.ª edição da revista digital da Plural&Singular está online e disponível para download. Além dos resultados da 3.ª edição do concurso "A Inclusão na Diversidade", destacamos uma "Grande Entrevista" com Ana Sofia Antunes, secretária de Estado da Inclusão das Pessoas com Deficiência que faz um balanço de um ano de Governo

Portugal depois do desaire busca a continuidade na prova

 

No jogo estreia do Campeonato da Europa de Futebol de 7, na passada quarta-feira, Portugal foi vencido (5-0) por uma Inglaterra concretizadora, resultado que travou as ambições dos portugueses que desejavam iniciar-se nesta prova da melhor forma possível entrar de pé direito e evitar ‘contas’.
Em jeito de análise à partida, o selecionador nacional. Luís Ferreira, contou que esta até tinha sido a terceira vez, no espaço de um ano que Portugal enfrentava a Inglaterra mas a seleção britânica surpreendeu a lusa, uma vez que nesse espaço de tempo trocou vários atletas, ainda que mantendo sempre o grande nível.
“Sabíamos que íamos ter bastante dificuldade em conseguir ultrapassá-los. Se bem que o nosso objetivo efetivamente era ter-lhes ganho para assegurar o lugar na passagem da pool. Isso não foi possível, infelizmente para nós, no entanto os nossos atletas estiveram bastante empenhados e conseguiram dentro do campo fazer o que era possível para tentar ultrapassar o adversário”, analisou Luís Ferreira.
O selecionador nacional reconhece, desta forma, que Portugal ficou no seu primeiro embate aquém das espetativas criadas e das metas traçadas mas está longe de atirar a toalha ao chão e sublinhou o empenho dos atletas lusos face a uma seleção inglesa que, também reconheceu, foi melhor.
“Eles [jogadores portugueses] têm mérito pelo facto de se terem combatido dentro do campo, mas os ingleses foram melhores pelo resultado que apareceu”, referiu.
Amanhã, sexta-feira, novamente pelas 20 horas, Portugal entra em campo para o seu segundo teste numa prova em que é anfitrião e quer dar provas de que tem uma palavra a dizer nesta modalidade a nível internacional.
O técnico conhece a Inglaterra desde 1992, ano a partir do qual a seleção inglesa, comentou, teve uma “evolução bastante progressiva e consistente”, currículo que não é semelhante ao de Portugal, equipa que esteve parada bastante tempo, mas agora está a tentar reativar-se, quer através dos clubes a nível nacional, quer através do aparecimento de novos atletas.
Segundo Luís Ferreira, é preciso, também, que “a seleção tenha outra postura em campo e perceber que o nível de hoje é um bocado diferente do que já se passou”.

Corrigir falhas para enfrentar a Ucrânia

Os lusos defrontam a Ucrânia que Luís Ferreira, em jeito de antevisão à partida, já descreveu como de “nível ainda superior ao da Inglaterra”… Mas Portugal promete dar luta… “Pelo menos conseguir um resultado que nos permita sonhar em passar a pool na perspetiva de sermos o terceiro melhor. Se conseguirmos dentro de todos os grupos que existem sermos o terceiro melhor efetivamente vamos passar aos quartos-de-final”, projetou o seleccionador nacional.
Luís Ferreira tem, portanto, de corrigir falhas. Quarta-feira Portugal teve o apoio do público do seu lado e esteve, apesar dos quatro golos sofridos, empenhado dentro das quatro-linhas. Haverá alguma ansiedade portanto a fazer os jogadores tropeçar, um obstáculo que o selecionador já identificou e promete tentar ultrapassar. 
“Para alguns atletas esta é uma das primeiras competições internacionais, nomeadamente no seu país, o que até lhes traz mais ansiedade mais stress. O facto de perceberem que têm um público que está com eles… Mas isso também lhes traz mais exigências porque eles também estavam a trabalhar na perspetiva de saber qual era a realidade que ia haver. Nós estávamos de facto bastante esperançados e eles sabiam que queríamos ganhar o jogo e isso acabou também por lhes criar um bocado de ansiedade”, refletiu Luís Ferreira.
Identificado um dos motivos de nervosismo, eis a hora de analisar a equipa adversária a apontar armas à Ucrânia: “[A preparação] está a ser feita dentro daquilo que já conhecemos da Ucrânia. Estamos empenhados e tivemos inclusive reunidos a perspetivar o jogo de amanhã e tentar também recuperar os atletas com algumas baixas para que eles possam efetivamente amanhã estar bem e vamos ver o que conseguiremos fazer”, concluiu o selecionador nacional.

Olheiro em casa própria

Luís Ferreira assistiu hoje a alguns dos jogos que marcaram o segundo dia de competição, retirando indicações otimistas de alguns encontros.
“Acabei por ver três jogos hoje. Dois deles com um volume de golos bastante mais volumosos que o nosso e até de equipas bastante mais inferiores em relação ao nível da nossa e que até nos permite augurar a possibilidade de chegar aos quartos-de-final e passar como o melhor terceiro que é o grande objetivo”, perspetivou o selecionador luso.
Sobre a Alemanha, o técnico português, foi mesmo peremptório: “A Alemanha não teve possibilidades, rigorosamente, nenhumas com a Rússia que se passeou pelo campo e só lhe quis marcar quatro golos porque se quisesse marcar mais marcava. A Alemanha efetivamente está a iniciar-se e na minha opinião estão inferiores a nós”, sentenciou.

 

Deixe um comentário

Bingo sites http://gbetting.co.uk/bingo with sign up bonuses

publicidade

publicidade

Publicidade

19°C

Lisboa

Cloudy

Humidity: 78%

Wind: 17.70 km/h

  • 25 Jul 2017 21°C 16°C
  • 26 Jul 2017 25°C 17°C

Publicidade