Nada sober vós sem vós

Log in
updated 10:58 AM WEST, Aug 9, 2018
Informação:
ACOMPANHE: Todas as novidades sobre os projetos com 'marca' Plural&Singular. Além do concurso de fotografia internacional em que TODOS cabem - cujas candidaturas abrem no final de julho e decorrem até 15 de outubro - avançamos com formações em Comunicação Inclusiva e Sexualidade&Afetos, o projeto "Nós os cuidadores - sessões de grupo para cuidadores", caminhadas temáticas, noites interculturais e com candidaturas ao ERASMUS+  Consulte também a página do Facebook do Núcleo de Inclusão, Comunicação e Media, a do Green Harmony e adira ao nosso grupo de debate e partilha

Portugal: os heróis!

Tiago Ramos marcou, a segundos do final do tempo regulamentar, o golo que permitiu aos lusos continuar a sonhar com uma vitória na prova. Rui Rocha é guarda-redes mas não se limitou a defender… De um conjunto de “guerreiros”, como chamou à equipa o capitão Vilarinho, eis as “estrelas” de hoje…

Para Vítor Vilarinho, feliz após a conquista da primeira vitória no Campeonato da Europa de Futebol de 7 [5-4 frente à Irlanda do Norte, após grandes penalidades], Portugal mostrou ter “espírito guerreiro”. 

O capitão garante que “deixaram tudo em campo” e que apesar de algumas derrotas pesadas sofridas ao longo da prova, a equipa portuguesa não conhece a palavra “desistir”.

Tiago Ramos também não escondeu a “alegria enorme” que sentiu quando fez o golo do empate aos 60 minutos: “Foi muita emoção. Nunca deixei de acreditar que era possível ganhar este jogo e conseguimos”, descreveu.

O avançado, atleta da APPC/ARDA – Porto, garantiu que Portugal tem “trabalhado muito para um dia chegar a um nível mais elevado” e, segundo disse acreditar, “são estes jogos que fazem aprender e melhorar”… “Ano após ano vamos continuar a tentar melhorar e conquistar objetivos cada vez maiores”, prometeu.

Outro – ou mesmo “o” – dos heróis do dia foi o guarda-redes Rui Rocha que defendeu aquilo que pode e marcou uma das grandes penalidades que deram a vitória a Portugal.

“O golo [o 2-2 aos 60 minutos que obrigou a prolongamento] deu-nos uma grande moral. Depois nas grandes penalidades, os dois últimos tive de se recorrer aos guarda-redes e eu fui feliz. Tive a sorte de marcar… Como o campo estava, avaliei, e vi que bastava ser um pontapé colocado e certeiro e entrava”, descreveu.

O guarda-redes chegou a temer, por segundos – aqueles segundos muito rápidos para quem está de fora mas que parecem passar em câmara lenta para quem está de frente para a baliza coim a bola a queimar nos pés – que iria falhar… “Na altura do remate o meu pé de apoio escorregou. Tive medo que não entrasse”, confessou Rui Rocha.

Seguiu-se o remate de grande penalidade do guardião da Irlanda do Norte… Rui Rocha percebeu o desenho do remate e não hesitou, para felicidade da seleção nacional, na defesa.

“O guarda-redes da Irlanda do Norte denunciou muito o pontapé dele. Eu vi-o a olhar muito para o meu lado direito. Pareceu-me focado no lado direito e de facto avaliei bem. Estamos de parabéns porque lutamos até ao fim”.

Quando questionado sobre este jogo, Rocha rejeitou o rótulo de “herói”, preferindo apontar mérito a toda a equipa: “A equipa toda tem mérito porque aguentamos um piso muito difícil, aguentamos a pressão de estar em casa, aguentamos a roupa molhada, a vontade de resolver rápido. Foi um sacrifício de equipa”, descreveu.

“As derrotas foram amargas mas estou contente porque conseguimos apurar-nos para o Campeonato do Mundo. Claro que tínhamos outras ambições e até sonhamos com a final e com os Paralímpicos. Não foi possível, agora vamos focar-nos no Mundial”, acrescentou em jeito de balanço desta prova e de antevisão às próximas.

Bingo sites http://gbetting.co.uk/bingo with sign up bonuses

publicidade

publicidade

Publicidade

21°C

Lisboa

Bastante Nublado

Humidade: 84%

Vento: 28.97 km/h

  • 19 Ago 2018 22°C 20°C
  • 20 Ago 2018 24°C 18°C

Publicidade