Nada sober vós sem vós

Log in
updated 11:19 AM WEST, Jun 28, 2017
Informação:
PARTILHEM: A 17.ª edição da revista digital da Plural&Singular está online e disponível para download. Além dos resultados da 3.ª edição do concurso "A Inclusão na Diversidade", destacamos uma "Grande Entrevista" com Ana Sofia Antunes, secretária de Estado da Inclusão das Pessoas com Deficiência que faz um balanço de um ano de Governo

Portugal: os heróis!

Tiago Ramos marcou, a segundos do final do tempo regulamentar, o golo que permitiu aos lusos continuar a sonhar com uma vitória na prova. Rui Rocha é guarda-redes mas não se limitou a defender… De um conjunto de “guerreiros”, como chamou à equipa o capitão Vilarinho, eis as “estrelas” de hoje…

Para Vítor Vilarinho, feliz após a conquista da primeira vitória no Campeonato da Europa de Futebol de 7 [5-4 frente à Irlanda do Norte, após grandes penalidades], Portugal mostrou ter “espírito guerreiro”. 

O capitão garante que “deixaram tudo em campo” e que apesar de algumas derrotas pesadas sofridas ao longo da prova, a equipa portuguesa não conhece a palavra “desistir”.

Tiago Ramos também não escondeu a “alegria enorme” que sentiu quando fez o golo do empate aos 60 minutos: “Foi muita emoção. Nunca deixei de acreditar que era possível ganhar este jogo e conseguimos”, descreveu.

O avançado, atleta da APPC/ARDA – Porto, garantiu que Portugal tem “trabalhado muito para um dia chegar a um nível mais elevado” e, segundo disse acreditar, “são estes jogos que fazem aprender e melhorar”… “Ano após ano vamos continuar a tentar melhorar e conquistar objetivos cada vez maiores”, prometeu.

Outro – ou mesmo “o” – dos heróis do dia foi o guarda-redes Rui Rocha que defendeu aquilo que pode e marcou uma das grandes penalidades que deram a vitória a Portugal.

“O golo [o 2-2 aos 60 minutos que obrigou a prolongamento] deu-nos uma grande moral. Depois nas grandes penalidades, os dois últimos tive de se recorrer aos guarda-redes e eu fui feliz. Tive a sorte de marcar… Como o campo estava, avaliei, e vi que bastava ser um pontapé colocado e certeiro e entrava”, descreveu.

O guarda-redes chegou a temer, por segundos – aqueles segundos muito rápidos para quem está de fora mas que parecem passar em câmara lenta para quem está de frente para a baliza coim a bola a queimar nos pés – que iria falhar… “Na altura do remate o meu pé de apoio escorregou. Tive medo que não entrasse”, confessou Rui Rocha.

Seguiu-se o remate de grande penalidade do guardião da Irlanda do Norte… Rui Rocha percebeu o desenho do remate e não hesitou, para felicidade da seleção nacional, na defesa.

“O guarda-redes da Irlanda do Norte denunciou muito o pontapé dele. Eu vi-o a olhar muito para o meu lado direito. Pareceu-me focado no lado direito e de facto avaliei bem. Estamos de parabéns porque lutamos até ao fim”.

Quando questionado sobre este jogo, Rocha rejeitou o rótulo de “herói”, preferindo apontar mérito a toda a equipa: “A equipa toda tem mérito porque aguentamos um piso muito difícil, aguentamos a pressão de estar em casa, aguentamos a roupa molhada, a vontade de resolver rápido. Foi um sacrifício de equipa”, descreveu.

“As derrotas foram amargas mas estou contente porque conseguimos apurar-nos para o Campeonato do Mundo. Claro que tínhamos outras ambições e até sonhamos com a final e com os Paralímpicos. Não foi possível, agora vamos focar-nos no Mundial”, acrescentou em jeito de balanço desta prova e de antevisão às próximas.

Deixe um comentário

Bingo sites http://gbetting.co.uk/bingo with sign up bonuses

publicidade

publicidade

Publicidade

23°C

Lisboa

Partly Cloudy

Humidity: 46%

Wind: 22.53 km/h

  • 28 Jun 2017 27°C 16°C
  • 29 Jun 2017 28°C 18°C

Publicidade