Nada sober vós sem vós

Log in
updated 9:49 AM WET, Dec 3, 2017
Informação:
ACOMPANHE: Todas as novidades sobre os projetos com 'marca' Plural&Singular. Além do concurso de fotografia internacional em que TODOS cabem - cuja cerimónia de entrega de prémios decorre dia 3 e dezembro no CPF, no Porto - avançamos com formações em Comunicação Acessível e Sexualidade&Afetos, o projeto "Nós os cuidadores - sessões de grupo para cuidadores informais!" e com candidaturas ligadas ao ERASMUS+            Consulte também a página do Núcleo de Inclusão, Comunicação e Media e adira ao nosso grupo de debate e partilha no facebook  

Em contagem decrescente para Rio2016 recordamos Londres2012

Na semana em que a contagem decrescente para os Jogos Paralímpicos Rio2016 atingiu os 100 dias, a Plural&Singular recorda peça feita na primeira edição da revista digital trimestral em dezembro de 2012 sobre a participação portuguesa em Londres2012

A participação menos medalhada de sempre foi também a mais competitiva da história. Dirigentes fazem balanço “positivo”… Atletas falam em “sonho realizado”… A falta de apoios é a crítica dominante!  


Texto: Paula Fernandes Teixeira
Fotos: Carlos Matos – Comité Paralímpico de Portugal

Ao todo participaram nos Paralímpicos três dezenas de atletas portugueses (22 masculinos e oito femininos) entre 29 de agosto e 9 de setembro. Num total de 46 provas disputadas, é certo que os portugueses só subiram ao pódio três vezes – uma medalha de prata e duas de bronze – mas os diplomas conquistados foram 16 e os Jogos Londres 2012 ficam marcados pela opinião generalizada de que houve um aumento acentuado do nível competitivo.

Sem qualquer medalha de ouro, no boccia Portugal conquistou prata e bronze, ficou um nome em evidência: José Macedo, atleta do Sporting de Braga que conseguiu a medalha de prata em pares BC3, juntamente com Luís Silva e Armando Costa, e arrecadou o bronze na prova individual.

Em atletismo, Lenine Cunha foi o único a subir ao pódio para receber o bronze no salto em comprimento F20 (deficiência intelectual), numa seleção com 15 atletas, que conseguiram quatro diplomas.

Com a presença de muitos asiáticos e os brasileiros de várias potências da modalidade de atletismo, o espaço para a conquista de medalhas para Portugal ficou rapidamente condicionado. João Paulo Fernandes, campeão paralímpico em Atenas2004 e Pequim2008, não chegou a disputar os primeiros lugares.

Já a estreante Inês Fernandes ficou à porta das medalhas no lançamento do peso e nenhum atleta conseguiu assegurar presença nas finais que foram antecedidas de eliminatórias.

Natação: João Martins não conseguiu repetir os bronzes de Atenas2004 e Pequim2008, terminando em quarto a final dos 50 metros costas S1, e colocando ponto final numa carreira de 20 anos; Simone Fragoso, Adriano Nascimento e David Grachat marcaram presença em finais, os dois últimos com recordes nacionais.

Agora o remo… Filomena Franco foi quarta na final B de single scull, enquanto Sara Duarte foi nona na prova de paradressage standart e 15.º no estilo livre.

Em suma, Portugal soma agora 88 medalhas em Jogos Paralímpicos, tendo terminado os Jogos Londres2012 no 63.º lugar do ranking do quadro de medalhas.

Missão portuguesa com nota positiva
“Os resultados dos Jogos de Londres não são, para mim, surpreendentes, se alguém esperava um nível elevado de medalhas, esse alguém não era eu. Penso que três medalhas é dignificante, tivemos 19 atletas a ficarem nos oito primeiros, numa comitiva de 30. Esta participação dignificou o país e, sobretudo, mostrou que é possível fazer melhor. Um alerta para o crescente aumento do nível de exigência e do nível competitivo desde os

Jogos de Sidney2000”, disse, no final da participação portuguesa, a 9 de setembro, o chefe da missão portuguesa, Carlos Lopes.

Ao fazer um “balanço positivo” da participação portuguesa nos Jogos Paralímpicos Londres2012, Carlos Lopes defendeu que o futuro do movimento paralímpico deve ser cimentado em três pilares: “continuação do apoio do Estado, aumento das parcerias privadas e recrutamento e formação de novos atletas”.

Já à chegada ao aeroporto de Lisboa, a 11 de setembro, o presidente do Comité Paralímpico de Portugal (CPP), Humberto Santos, pediu maior apoio dos privados, referindo que expressou esta preocupação aos governantes portugueses que estiveram em Londres2012 e chamou ainda a atenção para a necessidade de recrutamento de novos atletas para a alta competição paralímpica. LER TRABALHO COMPLETO A PARTIR DA PÁGINA 69 DA 1.ª EDIÇÃO DA PLURAL&SINGULAR

Avançamos a propósito que será publicada em breve, na nossa 15.ª edição da revista digital trimestral, uma antevisão aos Jogos Paralímpicos Rio2016.
Para aceder às edições da revista Plural&Singular clique AQUI.

 

Deixe um comentário

Bingo sites http://gbetting.co.uk/bingo with sign up bonuses

publicidade

publicidade

Publicidade

-4°C

Lisboa

Windy

Humidity: 42%

Wind: 69.20 km/h

  • 13 Dec 2017 0°C -7°C
  • 14 Dec 2017 1°C -3°C

Publicidade