Nada sober vós sem vós

Log in
updated 3:48 PM WEST, Apr 30, 2017
Informação:
PARTILHEM: A 17.ª edição da revista digital da Plural&Singular está online e disponível para download. Além dos resultados da 3.ª edição do concurso "A Inclusão na Diversidade", destacamos uma "Grande Entrevista" com Ana Sofia Antunes, secretária de Estado da Inclusão das Pessoas com Deficiência que faz um balanço de um ano de Governo

Jornadas IPA: Afasia… E depois?

As primeiras jornadas nacionais sobre afasia decorrem sábado, na Fundação Manuel António da Mota, no Porto, com o Instituto Português da Afasia (IPA) a promover a discussão sobre estratégias emergentes que visam proporcionar mais qualidade de vida às pessoas com afasia.

Texto: Paula Fernandes Teixeira
Fotos: IPA

O evento vai reunir especialistas nacionais e internacionais, conforme indicou à Plural&Singular a responsável do IPA, Paula Valente, segundo a qual estas jornadas não têm como objetivo apenas dar a conhecer este instituto que nasceu em Matosinhos há pouco tempo, mas “mais importante do que isso, servem para chamar a atenção da população e de públicos específicos da área da saúde e da intervenção social para as abordagens psico-sociais que estão a surgir em Portugal mas que ainda não estão a ser implementadas de forma sistemática”.

Segundo também se lê num artigo assinado por Paula Valente “esta iniciativa é o primeiro momento de reflexão, encontro e até de ‘provocação’ desta associação que surgiu recentemente mas que tem feito um trabalho consistente e persistente ao encontro do impacto social”.

As jornadas têm como título “Afasia… e depois?” e a organização promete juntar especialistas com uma vasta experiência profissional e científica na intervenção psicossocial com as pessoas com afasia, e ainda convidados de outras áreas científicas, da ação social e do empreendedorismo social, sem esquecer as pessoas que vivem e convivem com a afasia.

“O objetivo principal é refletir sobre as abordagens terapêuticas na afasia mais centradas no impacto que esta tem ao nível das atividades, participação social e da qualidade de vida das pessoas. Assim, criar-se-á a base para, em jeito de discussão, pensar novas abordagens para este problema e como é que Portugal pode abrir caminhos, quais os desafios, criar estratégias e inovar”, refere o artigo de Paula Valente.


O programa inclui, por exemplo, um workshop promovido por Sally McVicker, diretora da Connect, organização inglesa homóloga ao IPA, que vai falar de acessibilidade comunicativa. A Plural&Singular esteve à conversa com Paula Valente sobre para perceber o que poderá ser tratado neste workshop… Podem ser consideradas ‘dicas’ para comunicar com uma pessoa com afasia a simplificação de informação escrita, adicionando símbolos e imagens, falar mais devagar, dar pistas sobre o tópico que está a ser abordado, fazer perguntas simples, colocar pouca informação numa página e escolher sinalética adequada, entre outras…

Quais são, portanto, os destinatários destas jornadas? Os profissionais de saúde e da área social, pessoas ligadas à reabilitação, dirigentes e técnicos de associações que trabalham com pessoas com deficiência e a população em geral porque é convicção do IPA que não basta que os especialistas tratem estes temas, estas abordagens e adotem estas dicas se a sociedade também não as adotar.

“A mudança de paradigmas, a eliminação de preconceitos e de barreiras não diz respeito apenas à pessoa com afasia. É necessário englobar todas as pessoas que a rodeiam para promover uma mudança de mentalidades. De nada serve que a pessoa com afasia ou os seus familiares conheçam as estratégias, se numa repartição, numa ida ao médico ou simplesmente a pedir um café, existem barreiras de comunicação”, referiu Paula Valente.

Além do contributo de Sally McVicker vão decorrer conferências com temas como “Consequências do AVC e da afasia nos níveis de aCtividade e participação”, o “Impacto da afasia na qualidade de vida das pessoas com afasia e familiares”, a “Inclusão das pessoas com afasia e outras perturbações da comunicação nos processos de investigação científica” ou “Como tornar uma instituição mais ‘aphasia-friendly’” (para consultar o programa clique AQUI).

De tarde vai decorrer uma mesa redonda que reúne pessoas de várias especialidades e quadrantes profissionais, desde um médico de família, a um médico fisiatra, uma pessoa da área social, uma terapeuta da fala e uma pessoa ligada ao empreendedorismo social.

“Com este tipo de iniciativas, o IPA acredita que, juntamente com todos os parceiros, profissionais e entidades de vários sectores, será possível a médio prazo posicionar Portugal lado a lado com outros países que procuram, já há vários anos, introduzir de forma sistemática a filosofia da ‘Life Participation Approach to Aphasia’ nas suas práticas diárias e de investigação, otimizando resultados terapêuticos e com impacto positivo não só social como económico”, lê-se no artigo introdutório sobre estas jornadas.


Em declarações à Plural&Singular, Paula Valente também indicou que o objetivo do evento é provocar questões para um trabalho cada vez mais em conjunto, exemplificando…
. Como podemos trabalhar em conjunto para que as pessoas com afasia tenham mais oportunidades de inclusão?
. Como podemos melhorar a acessibilidade comunicativa dos serviços e da sociedade?
. Quais são as barreiras que a nossa sociedade levanta a estas pessoas quer ao nível das informações, das atitudes?

Sobre o IPA
Após um ano de existência como projeto, a associação já constituída, abriu o seu primeiro núcleo há cinco meses, em Matosinhos, estando a apoiar já cerca de 50 pessoas com afasia e familiares.
Este é um serviço novo em Portugal que tem como prioridade a aposta na comunicação funcional, no suporte emocional, na capacitação dos parceiros e familiares, na informação e adaptação da própria sociedade. O IPA é uma associação sem fins lucrativos cuja missão é devolver a esperança e qualidade de vida às pessoas com afasia e seus familiares. As suas abordagens terapêuticas, baseadas em evidências cientificas, centram-se nos objetivos pessoais de participação social e nas atividades que são significativas para a pessoa com afasia e onde ela quer voltar a participar. Nos seus estatutos, a associação propõe-se ainda realizar ações de divulgação, sensibilização e educação sobre a temática da afasia e da acessibilidade comunicativa, envolvendo vários agentes da comunidade e parceiros sociais, nacionais e internacionais.

Sobre as Jornadas
Este projeto conta com o patrocínio de vários parceiros tais como, a Fundação Manuel António da Mota, a Fundação PT e a BIAL e com o apoio de várias entidades nacionais como a Associação para o Desenvolvimento Integrado de Matosinhos, o Instituto de Empreendedorismo Social, entre outras. E internacionais: Associação AphasiaAccess, o Aphasia Institute do Canadá, a Connect da Inglaterra e o Triangle Aphasia Project dos Estados Unidos América.

Sobre a afasia
A afasia é uma perturbação da linguagem e da comunicação provocada por uma lesão cerebral nas áreas específicas do cérebro que processam o código linguístico, o que se traduz na dificuldade, entre outras coisas, em expressar palavras e frases.
Em Portugal desconhece-se quantas pessoas têm afasia, mas sabe-se que acontecem seis Acidentes Vasculares Cerebrais (AVC) por hora, que dois terços das pessoas sobrevivem e que metade pode ficar com afasia.

A Plural&Singular aproveita para recordar a reportagem de capa da nossa 14.ª edição da revista digital trimestral (março de 2016) que tem como titulo “Afasia: uma muralha para a comunicação”. Ao longo de 12 página são descritas histórias, publicados testemunhos e apontados caminhos e estratégias… Para ler clique AQUI.
 

Deixe um comentário

Bingo sites http://gbetting.co.uk/bingo with sign up bonuses

publicidade

publicidade

Publicidade

17°C

Lisboa

Mostly Cloudy

Humidity: 44%

Wind: 22.53 km/h

  • 30 Apr 2017 20°C 11°C
  • 01 May 2017 21°C 11°C

Publicidade